BLOG DA TRUPE

jul
31
Um momento

Entre uma senhora sentada no refeitório e eu, encontra-se um palhaço. Um palhaço que divaga, que sorri, pergunta. Ela, meio sem jeito, e com um sorriso quase saindo, de repente olha pra mim, como se dissesse (e disse) com os olhos: “Só está falando bobagem, onde já se viu! E eu estou adorando!”. Então meus […]


jul
30

jul
26
A oportunidade está por aí

Trabalhando juntinho do nosso público (que às vezes é mais palhaço que todos nós, e adoramos isso!), lidamos com algo bastante imprevisível: seres humanos. Tanto os palhaços quanto os pacientes, acompanhantes e funcionários nos hospitais são humanos (juro, encomendamos uma pesquisa completíssima e constatamos 100% de humanidade em todos eles, contrariando algumas expectativas de que […]


jul
23

jul
21

jun
27
“Hospital” maiúsculo e minúsculo

Às vezes: medo de hospital. Os olhos enxergam fragilidade. Dor. Tristeza. o HOSPITAL cresce. Alto, grande, musculoso. Pesa nos ombros, pernas, mãos, mente e coração. E a palhaça, pequena, fica cheia de dedos. Com medo de interagir, de falar, de ser. Tudo é tão difícil. E sofrido. Tudo no lugar certo. Muito reto. Preciso. Isso […]


jun
18
A descoberta do palhaço

Antes de tudo, preciso dizer: até entrar na Trupe eu nunca havia trabalhado como palhaço. Exatamente. Sequer havia colocado nariz de palhaço e o mantido no meu rosto por mais do que dois minutos. Foi uma surpresa quando, muito, muito tempo atrás (mentira, foi no ano passado), o Hique (conhecido por essas bandas como Doutor […]


jun
04
Como dizer adeus – parte I

Não faz muito tempo, convivi de perto com uma situação que sempre me causou uma angústia enorme: a morte de alguém querido. Felizmente, ninguém da minha família teve problemas mais sérios de saúde, a não ser meu avô paterno, que faleceu quando eu ainda era muito nova para elaborar qualquer perda. Mas recentemente o estado […]


maio
31
Eu ainda tenho brinquedos

Se ficarmos muito tempo sem fazer algo, logo esquecemos como se faz. Mas como podemos esquecer algo que foi e é tão importante como o ato de brincar?   Quando brincamos viajamos para outra dimensão, do irreal, do imaginário, onde podemos ser quem ou que quisermos. Podemos dar para os objetos diferentes funções: o controle […]


maio
21
Fragmentos à paisana

Num ritmo sublinear palavras de uma garota na tentativa de expressar aquilo que só se vê com a alma Deixei entrar na minha vida um lugar enfermo Desnuda, na busca de um segredo… Qual a dose necessária de uma doce canção? Disfarça Segue aquele palhaço com bolsos cheios de medicação Não são as de farmácia […]

1 6 7 8 9